Archives

All posts for the month fevereiro, 2015

A expressão “HAM“, vem de longa data fazendo referência ao radioamador ou ao radioamadorismo de âmbito mundial, vamos agora conhecer a sua história.

Nos idos ano de 1908, uma das primeiras estações de radioamador nos Estados Unidos cujo indicativo era
HY-AL-UM, era operada por Albert S. Hyman, Bob Almy e Peggi Murray, três amigos e amadores membros do Radio Club Harvard.

Sendo que os três amadores após construirem e instalarem, resolveram de comum acordo chamar a recém instalada estação de amador de “Estação Hyman-Almy-Murray” Quando a estação transmitia para locais longíquos, o nome era difícil de ser compreendido.

Muito rapidamente modificaram o indicativo para HY-AL-UM, utilizando-se apenas as duas primeiras letras iniciais de cada um de seus nomes, para que a identificação ficasse mais curta, legível e melhor entendida.

Em 1909, quando as transmissões da estação HY-AL-UM, começaram a confundir-se com as transmissões de uma embarcação mexicana chamada Hyalmo; por este fato decidiram que apenas as letras inicias de cada um dos seus nomes seriam da estação “HAM“.

Naquela época, nos primórdios do rádio, estava nascendo a comunicação radioamadora e os próprios operadores escolhiam seus indicativos e freqüências de trabalho. As rádios comerciais da época viam-se um tanto afetadas pelas transmissões dos amadores, acabaram por chamar a atenção dos congressistas em Washington, os quais apressaram-se a elaborar um Projeto de Lei.

Em 1911, Albert-Hyman escolheu este controvertido Projeto Lei como tema principal de sua tese na Universidade de Harvard, o professor de Hyman insistiu para que fosse enviado uma cópia do trabalho ao Senador David I. Walshm o qual era um simpatizante dos amadores.

O Senador ficou impressionado com a tese, convidando-o a comparecer em Washinhgton perante a Comissão que elaborava o Projeto Lei. Hyman diante dos Senadores da comissão do Projeto que era contra os amadores, simplesmente relatou de que maneira e com que dificuldade tinham construido a pequena estação amadora.

Finalmente os Senadores decidiram por retirar de pauta e arquivar o Projeto de Lei após grande debate que se seguiu à explanação de Hyman, sendo de que os Senadores chegaram a conclusão de que o Projeto era ineficiente e não atendia às rádios comerciais e os radioamadores; além de ser inoportuno, este fato foi também a primeira grande vitória jurídica do radioamadorismo, onde um radioamador conseguiu fazer abortar um Projeto de Lei em que era totalmente desfavorável aos amadores de rádio daquela época, todos os meios de comunicação existentes na época mencionaram e abonaram amplamente a humilde estação “HAM“, para convertê-la desde então os nossos dias é um símbolo.

DESDE ENTÃO, UM RADIOAMADOR É UM ” HAM “

(Fonte hambrasil.com.br)

luzerna

A estação do Bom Retiro foi construída em 1915, no local então denominado Passo do Limeira (foz do rioLimeira no rio do Peixe), de acordo com depoimento de Henrique Hacker em 1967, tendo sido ele o seu construtor. Esta estação deu origem à vila de Bom Retiro, que em 1946 mudou seu nome para Luzerna. Em 1949 tornou-se um distrito do município deJoaçaba, para mais tarde tornar-se município (anos 90?). Em bora a estação, como todas as outras da linha entre Caçador e o rioUruguai, estivesse à margem esquerda (leste) do rio do Peixe, a cidade desenvolveu-se do outro lado, o oeste, do rio. A estação ficou por muitos anos isolada, e quem nela descia ou embarcava tinha de tomar uma balsa para atravessar o rio, até 1947, quando uma ponte de madeira foi construída. Em 1967, esta ponte ainda era a única ligaçào entre a estação e o distrito, e estava em consições precárias, embora já houvesse planos para uma nova. A estação de Luzerna já foi demolida e nada mais resta do seu passado ferroviário. Na verdade, a grande enchente de 1983 deu uma exceelente desculpa para a RFFSA desativar e abandonar várias das estações da linha, principalmente as de madeira, que, como a de Luzerna, eram, ou são, a maioria dos casos. Aliás, a estação de Luzerna era atípica, pois ao contrário da maioria das estações dessa linha, ficava do lado do rio, ou seja, à direita de quem vai para o sul. Quase todas as estações ficam à esquerda. Por isso a estação ficou totalmente esquecida da cidade, que prosperou a 200 metros rio acima, e na margem oposta. Hoje o local próximo à estação é um vilarejo de no máximo 20 casas.
(Fontes: Henrique Hacker; Nilson Rodrigues; Álbum Comemorativo do Cinqüentenário do município de Joaçaba, 1967; Diário Catarinense, 27/07/2002)

10887317_631603320302814_7579130915511289367_o

Jogo de lórbia, râmbio de rio, que tírvia boa!

Pode parecer estranho para alguns, mas não se trata de uma língua estrangeira, e sim, de um dialeto, uma gíria criada por carregadores de malas e engraxates na década de 50, no município de Herval D´Oeste/SC.

Eles a utilizavam como forma de se comunicar entre si sem que os demais entendessem, fosse para combinar o preço a cobrar para carregar as malas da estação ferroviária até o hotel, ou para enganar seus pais, dizendo que iriam jogar bola, quando estavam indo nadar no Rio do Peixe.

Conhecida como “hervalês” ou “língua dos maleiros e dos engraxates” nasceu na antiga estação ferrovia, e ainda é muito falada até os dias de hoje, la pelos lados do Herval. Como muitos moradores de Herval D´Oeste se espalharam por Santa Catarina, esse dialeto acabou ficando conhecido também no Estado. Seu chico conta que ao entrar em um estacionamento em Florianópolis, o responsável pelo local, ao ver a placa do seu carro de Herval D´Oeste, disse: sirne morme, também sou de Herval.

Ao que se sabe, o “hervalês” é um caso único no Brasil de um linguajar totalmente inventado, não tendo origem em nenhum outro idioma ou dialeto. Já foi fonte de estudo e atualmente está sendo produzido um documentário sobre o dialeto.

Em nosso site você terá a oportunidade de conhecer algumas palavras do “hervalês”. Confira Aqui .

Na foto, Estação Ferroviária de Herval D´Oeste.